domingo, 13 de janeiro de 2019

Indústria, Cultura, Turismo




O Turismo não é, por si só, uma actividade económica, mas antes, o resultado de várias motivações e a necessidade de adquirir conhecimento e absorver culturas, que faz o indivíduo viajar para outros lugares e enriquecer o conhecimento, interagindo com os povos visitados. Concertos, gastronomia, actividades secundárias, descoberta, paisagismo, culturas e modos de viver, conhecimento, são motivações do turismo gastronómico, contemplativo, de lazer, do conhecimento, militar, industrial, etc.
A mais antiga empresa industrial de Portugal, segundo registos, é a Celulose do Caima.
 A sua história, a evolução ao longo de 130 anos  e a sua responsabilidade económica e social, estão visíveis na exposição na Casa-Memória Camões em Constância.
Antes o algodão, o linho e o cânhamo eram os produtos que eram utilizados na confecção do papel.
Em 1888 a família anglo-sueca Bergvist residente no Porto,  funda a sociedade The Caima Timer Estate & Wood Pulp Company, Lda e adquire, no ano seguinte, uma quinta nas margens do rio Caima, onde foi implantada e inaugurada em 1891 a Fábrica de Pasta de Papel.
O seu primeiro gerente foi o britânico William Cruikshank, ex-proprietário da quinta e, até então, director das Minas do Palhal.
Cotada em Bolsa, em 1922 a multinacional Hibstock adquire 500 ações na Bolsa de Londres, tornando-se no principal shareholder.
Hoje a Fábrica produz celulose solúvel, muito aplicada na industria têxtil, e em variados sectores.

Hoje a Caima é auto-suficiente em electricidade, tem a sua própria produção de energia eléctrica renovável, suficiente para fornecer todo o concelho.
Uma longa história de desenvolvimento económico, mas também de alguns sobressaltos sociais, acessível ao público na exposição “De Albergaria a Constância- 130 anos de inovação”, patente ao público na Casa-Memória Camões em Constância até ao dia 18 de Maio 2019.
Há lugar a conferências, às 17h30 nas seguintes datas:
18 Jan: “Os Ingleses da Caima”, por Sofia Costa Macedo
15 Fev: “Antes era o vapor: contribuições para o estudo histórico da energia na Caima”, por Susana Pacheco
22 Mar: “Na génese da Fábrica de Papel da Caima: Minas, Quintas e Madeiras”, por Jorge Custódio.
Constância: Visitar e ficar

sábado, 12 de janeiro de 2019

O dominio dos gigantes do universo online


Algumas  Agencias de Viagens Online (OTA’s) são fruto da criatividade e engenho de jovens estudantes que, no silêncio de garagens ou arrecadações lhes deram vida.
Hoje, as 2 maiores valem na Bolsa de Nova York mais do que as 5 maiores cadeias hoteleiras juntas.
São o maior consumidor de serviços disponibilizados pela Google. Investem milhões em publicidade, porque são concorrentes de Agências de Viagens Tradicionais e de Hotéis. 
Simultaneamente são fornecedores, porque lhes disponibilizam tecnologia de reservas. E são também clientes de hotéis e outros meios de alojamento. Prestam serviço aos hotéis no papel de Canal de Distribuição.
Têm um comunicativo serviço pós-venda.
Controlam a maior fatia de mercado e, por isso, criam dependências.
Já se fala que em alguns casos exigem um mínimo de disponibilidade  de quartos atribuídos tal como na era dos allotments  negociados com os Tour Operators.
Cobram elevadas comissões.
Viajar na páginas das OTA’s é cada vez mais aliciante e, brevemente o cliente passará por uma agradável experiência ao reservar, porque serão, simultaneamente, redes sociais e portais de reservas de alojamento, restauração, espectáculos, etc.
Pode o hoteleiro competir?
O que não deve fazer é “colocar os ovos no mesmo cesto”; ao longo dos tempos, o bom senso e técnicas de comercialização aconselharam a diversificação de mercados e de canais de distribuição.
O que deve fazer é tornar o seu site cada vez mais apelativo e intuitivo, com promoções, upgrades, packages de serviços internos e externos. É exercer uma eficaz política de relações Publicas para transformar o cliente “OTA” em seu cliente. É atribuir incentivos (descontos ou outros) a quem compra directamente. É unir-se regionalmente a outros estabelecimentos e instituições para criar uma oferta turística global (alojamento, restauração, cultura, actividades, espectáculos, diversões, etc).
O Click2Portugal nasceu com ideias semelhantes, mas não me apercebi ainda de um significativo volume de adesões.





sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

Portugal está na moda


 “Divulgada hoje Conta Satélite #Turismo 2017:
- Crescimento das remunerações Turismo +7,6%
- Consumo Turismo: 13,7% PIB
- Peso Turismo no Emprego: 9,4%
- VAB Turismo: 7,5%
#ET2027”

As classificações da atractividade dos destinos depende da forma como são organizadas e da instituição que as promove.
No Tripadvisor, Paris ocupa a 1º posição como destino de compras, enquanto Lisboa ocupa o 16º lugar.

No que respeita a praias, a da Falésia em Olhos de Água ocupa 12º lugar entre 25, cabendo a honrosa primeira posição a Grace Bay Providenciales, Turks and Caicos.
A 15ª posição nas Experiências cabe à experiência de um dia de visita de Cascais e Sintra a partir de Lisboa, sendo a experiência nº 1 um workshop de culinária em Florença.
A Quinta Jardins do Lago no Funchal ocupa a 22ª posição no Top de 25 hoteis do mundo. O primeiro é Viroth’s Hotel no Cambodja.

Imagem da página Jardins do Lago

A vulgarização dos preços baixos dos transportes e a vulgarização do uso de aplicações em telemóvel sugestivas em imagens e persuasivas em mensagens para a automatização da tomada decisões conduz a resultados que nem sempre são os reais.
Portugal cresce em número de turistas. Alguns estabelecimentos tudo fazem para conquistar terreno, em guerra aberta entre si,  com o abaixamento de preços que pouco mais dão do que para assegurar a sua permanência no mercado. Sacrificando a qualidade dos serviços prestados, por um lado pelo preço que praticam e por outro pela pouca atractividade que a hotelaria manifesta na contratação de Recursos Humanos pelos baixos salários e longas horas exigidas (responder à enchente de turistas)  esta realidade compromete o futuro do Turismo que se quer de qualidade.

Mas não se pense que o robot tudo soluciona. Pode ser uma novidade, mas de atracção muito efémera.

Com a Esperança de que o Natal seja a fonte de iluminação para 2019, desejo a todas e a todos umas Festas Felizes.



Hotels in Quinta Jardins do Lago

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Mensagens de Constância chegam para lá do Atlântico



* Independentemente das convicções religiosas ou da tradição cristã ou pagã,

* Não trazendo à discussão se, ultimamente, os temas “ambiente e sustentabilidade, são  mais vezes citados mundialmente do que o tema Direitos do Homem consagrado na Declaração Universal,

o  centro histórico de Constância tem em exposição, pelo segundo ano consecutivo, a exposição Natal Reciclado.


Esta exposição é possível porque da Câmara Municipal partiu a iniciativa de dinamizar e envolver no espírito natalício as escolas, instituições, comercio local, tecido empresarial e grupos de pessoas.

Dezenas de estruturas em madeira disponibilizadas pela autarquia foram transformadas em árvores de natal adornadas e decoradas com materiais reciclados.

Os  participantes na Rota dos Templários que se realiza 2 a 3 vezes por semana, de que faz parte o centro histórico de Constância e a prova do seu doce conventual , admiraram o trabalho e a ideia do reaproveitamento, tendo dois americanos demonstrado a sensibilização  para a reutilização de materiais e, consequentemente , para a diminuição de resíduos no meio-ambiente   com a frase “Amazing. From now on, I'll start thinking twice before throwing trash away” (espantoso, a partir de agora pensarei duas vezes antes de deitar for a o lixo).

Esta exposição está patente atá ao Dia de Reis, pelo que pode cá passar uns dias. Clique sobre a imagem






sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Influências dos baixos preços



Os preços baixos, à custa de baixos custo (Low Cost) têm por finalidade a acessibilidade a todas as classes, e como consequência mudança de hábitos e mentalidades.
Chamo a atenção para a forma de escrever (não aderi ao AO) e para a maneira vintage como vejo os fenómenos Low Cost.
Se eu fosse detentor do conhecimento, diria que os meios de transporte tiveram desde sempre uma enorme influência no desenvolvimento dos povos, aproximando-os para adquirirem conhecimento, para socializarem, para negociarem.
As “máquinas de marketing” encarregaram-se de criar a necessidade de viajar em lazer como forma de terapia, de enriquecimento intelectual, como compensação dos largos meses de trabalho.
A evolução tecnológica trouxe a todos ferramentas, que as gerações mais novas usam com toda a mestria, na programação de deslocações, permitindo a reserva de passagens aéreas, meios de alojamento, lugares a visitar, espectáculos, etc., sem a intervenção do tradicional agente de viagens.
Os voos de baixo preço (Low Cost) vieram alterar o paradigma do turismo e do turista. É a era do conhecimento, de vivenciar experiências, de influenciar as populações dos lugares que visita. É um turista informal.
Simultaneamente novas formas de alojamento surgiram, cuja categoria ou localização pouco importam.

As regras impostas pelas Low Cost contabilizam milimetricamente o espaço e o tempo, cobrando extras avantajados por bagagem, porque  o consumo de combustível está relacionado com o peso da carga. Quer um lugar à frente? Na janela? Na coxia? Paga extra.
Por isso, transportar ferro de engomar, fato, muda de roupa, chinelos, sapatos extra, pertence ao passado. Hoje viaja-se com o mínimo, com os trapinhos sobre o corpo que às vezes não são muitos e são até multi-funcionais.  E esta realidade influencia o povo acolhedor; adere à moda, abre-se-lhes a mente, experienciam.
Pensava eu que um hostel    era para gente jovem, com reduzido poder económico. NADA DISSO. Há frequentadores de todas as idades e classes sociais. É um fenómeno sociológico – tal como TURISTAR.
Este movimento de informalidade desmistifica a “escultura” imaginada por dentro de um fato ou vestido clássico porque aparece aos nossos olhos com toda a naturalidade

segunda-feira, 23 de julho de 2018

Arte de Viver




Viver é uma responsabilidade individual. Viver bem é uma arte.
Viver com arte é ter a arte de encontrar a felicidade em tudo o que vemos e fazemos e de transmitir aos outros este sentimento.
Viver com arte depois de ter terminado a sua actividade profissional, requer uma vida activa contínua, não necessariamente nas mesmas circunstâncias , mas manter-nos activos, “ginasticando” o cérebro e o físico por forma a podermos exibir (e usufruir) de uma Mens Sana in Corpore Sano.
Reconhecido nacional e internacionalmente como gestor e professor de hotelaria, passou a sê-lo, também, com a sua arte.
Manuel Ai Quintas

* Há pessoas que veem a reforma conquistada após tantos anos de trabalho como um desperdício despejado no lixo. Umas vivem em estado de permanente angústia e outras refugiam-se na bebida alcoólica, numa vida pouco saudável. Não são felizes.

* Há pessoas que veem a reforma como um prémio pelos serviços que prestaram à sociedade onde se inseriram profissionalmente; vivem uma vida de descoberta  de outros valores que contrariam a monotonia de uma vida mal vivida.
* Há ainda aquelas pessoas que continuam uma vida activa em actividades iguais ou complementares às que desempenharam, por conta-própria ou de outros, encontrando em cada coisa que fazem ou pessoa com que contactam elementos diversificadores para não viverem uma rotina. Dedicam-se a causas em beneficio dos outros, etc.
Desconhecido a ginasticar os dedos tentando criar o imaginário album "Treinos para a amnésia"

* Por último, há aqueles que, na sua gratificante e   vida activa intensamente vivida, desempenharam papeis tão importantes, que influenciaram, que inspiraram com a sua sabedoria, conselhos  e savoir-faire, que tiveram uma   intervenção decisiva na maioria das situações, que,  compreensivelmente sentirão nostalgia desses tempos. Uns descobrem capacidades que provavelmente desconheciam possuir; outros “fazem uso” das capacidades que em segredo guardavam; capacidade de fazer e transmitir arte nas diversas formas de expressão continuando, assim, uma vida com arte que sempre viveram.

Segundo o filósofo, O homem não nasceu para trabalhar, mas para ser feliz!


quinta-feira, 5 de julho de 2018

A Nova Geração de Reclamações

Numa adiantada fase de investigação e concepualização da Inteligência Artificial, que se colocam em campo  micro-investigadores nano-mosquitos comandados por algoritmos para inspeccionarem a legalidade e legitimidade internacional da aplicação de drones auto-controlados em actos bélicos, chega a todas as actividades económicas a obrigação de aderirem ao Livro de Reclamações Electrónico. 
Vai excluir os info-excluídos por vontade própria ou por iliteracia internética? Não, porque continua a obrigatoriedade da existência dentro dos estabelecimentos (e só aí pode ser disponibilizado ao utente) do livro em papel.
 Vai a reclamação à distância distanciar o utente ou cliente do prestador de serviços?
Não, porque este dispõe de um prazo de 15 dias para responder electronicamente à reclamação.

É inegável o interesse da possibilidade de o cidadão reclamar electronicamente, em especial dos serviços prestados deficientemente ou pela ausência d clareza  por “gigantes dominadores” como telecomunicações, electricidade e água, gás natural, que possuem uma barreira que os separa da insignificância do consumidor chamada Help Desk ou Call Center que nada resolve.
 Durante os próximos 360 dias todos os agentes que exerçam actividade em estabelecimento aberto ao público são obrigados a aderir ao LRE. E parece que não é gratuitamente.

Um amigo meu afirmava, com orgulho, que durante mais de 30 anos que exerceu funções de responsabilidade em hotéis, houve apenas  um caso de reclamação escrita devida a deficiente comunicação do funcionário. Esse meu amigo entra no gabinete, vê o livro de reclamações em cima da secretária, contacta o cliente reclamante com quem se reuniu de imediato. Ambos chegaram à conclusão de que era uma deficiência estrutural de um espaço publico e a inaptidão do funcionário que estiveram na origem da reclamação. A conversa foi de tal forma compreendida que o cliente escreveu à ex-D.G.T. solicitando a anulação da reclamação.
É este o poder da comunicação, que todos nós aprendemos, assimilámos e pomos em prática numa saudável politica de Relações Rúblicas – modernamente chamadas Consumer Relations Management - que aparentemente vai ser desvalorizado.