sábado, 20 de janeiro de 2018

Nem tudo a IA descodifica

Nota: Apesar de escrever em desacordo com o ultimo AO, não significa que não observe a evolução. É só porque entendo que a etimologia da palavra é a raíz que sustenta a cultura de um povo.
A imparável evolução da ciência robótica faz-nos questionar sobre qual será o modelo de comunicação em turismo que os turistas escolhem: O mais tradicional, que privilegia o contacto humano, com seus defeitos e virtudes ou o mais evoluído, a caminho da perfeição, cuja racionalidade empurra os racionais para a irracionalidade.

Imagem de Feira das Colheitas em São Sebastião - Travanca- Amarante

Por mais sofisticada que seja a união da ciência e da tecnologia na programação robótica, na IdC (Internet das Coisas) e no desenvolvimento da inteligência artificial (IA), nenhum robot consegue substituir o ser humano.
Na sua missão de receber, dar as boas-vindas, prestar um serviço, o sorriso que aparenta e as frases que articula não deixam de ser como que gestos forçados, automáticos, esperados, como aquele em que as pessoas contratadas para esse fim, batem palmas nos programas e concursos da televisão.
O robôt leva uma vantagem sobre os humanos: não pode ser acusado nem acusar de assédio sexual, resultado, por vezes, de um sorriso ou elogio mal interpretados, precisamente porque não é dotado de emoções, não possui calor humano (por enquanto), embora consiga interpretar o sistema nervoso do seu interlocutor por gestos, volume de voz, temperatura, etc., e reagir em conformidade.


APIS e BOTS regulam as tarefas e definem o comportamento dos humanos na sua incansável escalada da ilusória perfeição e actualização, criando a sensação de que para conseguir as coisas basta carregar num botão. Descobrir coisas sem perguntar. OS PAIS IMITAM OS FILHOS, e não o contrário que é normal na transmissão de valores como a Humildade, a Personalidade, a Vontade, o Respeito, a Realização de Sonhos, o Viver em Sociedade.
O que a Inteligência Artificial nunca traduzirá é os sentimentos subjacentes de expressões como “a casa fica no couto de cima ao pé duma carvalha”, “Coma mais um cibito; não é como na pensão, mas é de boa vontade”, “é só um chisquinho (apesar de o prato estar quase cheio)”, “deve vir cansado da viagem; coma uma bucha e beba uma pinguita”, “ a chuva é de molha-tolos, mas leve um chuço”.
Ovem-se ainda hoje expressões como estas no Portugal autêntico, Portugal de pessoas com sentimentos sinceros e paisagens virgens que marcam a diferença e que é preferido por turistas ávidos do conhecimento e absorção de tradições.

sábado, 30 de dezembro de 2017

Destino Constância

Constancia, rodeada por Tejo e Zêzere, deve o seu nome a D. Maria II.
Constância é uma paragem obrigatória para os amantes de escapadinhas no Portugal Profundo.
A existência de portagens na A23  não pode impedir o normal trafego turistico às vilas e localidades ricas em património construído e imaterial perto do Centro Geodésico de Portugal (Picoto da Milriça), 1 km à frente de Vila de Rei.
Sugere-se o seguinte itinerário:
Porto (ou) Lisboa - Fátima - Torres Novas - Constância. Alojamento numa das unidades de Alojamento Local ou Turismo de Habitação. Prova do doce conventual, representado maioritariamente pelo Queijinho do Céu, confeccionado de forma tradicional e com muita dedicação pelas Irmãs Clarissas que habitam e asseguram a manutenção do Mosteiro de nossa Senhora da Boa Esperança em Montalvo (uma das freguesias do Concelho de Constância). N'O Cafe da Praça, em pleno centro histórico, a 2 metros do Pelourinho. Geralmente caem bem com 1 licor ou vinho do porto, mas também 1 chá ou café.

Um dos atractivos de Constância é a disponibilidade de espaços e ainda a facilidade de estacionar gratuitamente  o automóvel em pleno centro histórico, a escassos metros da praça principal (Praça Alexandre Herculano).  A autarquia, que aposta no Turismo como um importante contributo para a economia local, acompanhará, acreditamos, o actual e o previsível aumento de turistas com a implementação de infra-estruturas públicas e de serviços institucionais. 


Bem pertinho da Praça Alexandre Herculano, na Av. das Forças Armadas encontra-se o Jardim-Horto de Camões, cuja visita vale a pena pela cultura que se assimila e que nos envolve nas aventuras de Luis de Camoes.
Aqui se encontra a esfera armilar que foi transportada de helicóptero de Lisboa para cá, a Távola de Ptolomeu que reproduz os deuses mitológicos a quem Camoes pedia inspiração para narrar, ou protecção para os Lusitanos levarem a bom porto a sua epopeia. Mais de 50 espécies de plantas, arbustos e flores diferentes, sendo cada espécimen identificado por uma estrofe deste poeta, a réplica da sua Casa de Macau, um anfi-teatro acústico, construído em conformidade com as técnicas da Antiguidade Clássica.
Um passeio pelas margens dos rios Zêzere e Tejo que aqui se encontram é revigorante e poetico.
  Visitar o Centro Ciencia Viva e ouvir uma palestra de astronomia é cientificamente muito interessante. Só a paisagem que dai de cima se vislumbra compensaria a deslocação.
Um percurso de Identificação da flora e fauna e usufruto da Natureza, guiado por pessoas especializadas do Parque Ambiental de Santa Margarida, onde se encontra também o Borboletário Tropical é do agrado geral de adultos e crianças.
Seguindo em direcção a Abrantes, não deve perder uma visita ao Castelo.
Em direcção a Vila de Rei sai em Milreu, visita os miradouros Fragas do Rabadao, do Penedo Furado, as quedas das Bufareiras, as Piscinas Naturais. Retomando a estrada visita o monumento do Centro Geodésico de Portugal, a 1 KM de Vila de Rei.
Descobrirá paisagens de encantar na bacia do Zezere, seguindo para Ferreira do Zezere, Dornes, Tomar. E já deve ser tarde. Mas nao perca uma visita ao Castelo do Almourol pertinho do poligono de Tancos, a seguir à Escola Pratica de Engenharia. Entre as 10 e as 12:30 e entre as 14:00 e as 16:30 faça uma curta viagem de barco para aceder ao castelo. Vai imaginar como seria Portugal no tempo dos Mouros, Senhores Feudais e dos Templarios.
Para tudo isto, é aconselhável que fique por cá.
Votos de um Ano Novo muito feliz, pleno de realizações e de paz nos corações.
003
O que saborear

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Natal Reciclado ou Natal Comunitário



Sendo o Natal uma quadra festiva com significado especial para as crianças, é natural que a criança que há em nós transporte e evoque as imagens e a magia das histórias que lhe ficaram na memória quando escreve sobre o Natal.
Histórias contadas à lareira, depois da ceia e durante os jogos do "rapa-tira-deixa-põe".
No dia de Natal as crianças acordavam mais cedo  entusiasmadas com a prenda que o Menino Jesus tinha deixado – umas peúgas, camisola, calças, com aquele cheiro a novo, que haviam de levar daí a umas horas à Missa do Dia onde também beijariam o Menino Jesus, que era retirado da caminha de palha na cabaninha do presépio que simbolizava a manjedoura onde nasceu.

O primeiro presépio terá sido montado em argila por São  Francisco de Assis em 1223 na Floresta de Greccio, para explicar mais claramente o Natal às pessoas comuns , na sua maioria camponeses que não conseguiam entender o nascimento de Jesus (em “Teologia, Doutrina, Catequese").

Montar o presépio tornou-se um hábito, com toda a carga simbólica: Familia unida, simples, trabalhadora, crente; a Natureza (montes, pastoreio), o Universo (estrelas) e a Boa Nova (Anjos).
Ir ao musgo aos montes, trazer pedras de vários tamanhos para com elas fazer os relevos dos presépios era um hábito de adultos e miúdos nas aldeias de Portugal.

Há dois mil anos não havia reciclagem, simplesmente se comia ou usava aquilo que se produzia ou fazia; tudo era aproveitado.

A tradição da árvore de Natal começou em 1530, na Alemanha, com Martinho Lutero. Certa noite, enquanto caminhava pela floresta, Lutero ficou impressionado com a beleza dos pinheiros cobertos de neve. As estrelas do céu ajudaram a compor a imagem que Lutero reproduziu com galhos de árvore em sua casa. Além das estrelas, algodão e outros enfeites, como velas acesas para mostrar aos seus familiares a bela cena que havia presenciado na floresta.

A Reciclagem

Nos tempos que correm sim, faz todo o sentido o reaproveitamento. Mas o reaproveitamento é o resultado de excesso de consumo.
Pessoalmente não me agrada muito  ver as imagens características de um presépio representadas por garrafas de plástico ou cápsulas de café. Sejamos certinhos durante o ano, respeitemos o ambiente, mas demos a maior dignidade possível ao Natal. 

Não deixemos que a reciclagem retire ao Natal a carga simbólica. Sem quaisquer preferências nem fundamentalismos.

Esta quadra seria mais genuina  se toda a comunidade construísse um presépio num espaço público, sem qualquer protagonismo individual, mas com o espírito de alegria, generosidade, convivência sã, como se de uma verdadeira família se tratasse: O NATAL COMUNITÁRIO.
(Texto escrito em desacorco com o AO, porque entendo que a etimologia de uma palavra é a raíz que suporta a cultura de uma língua.)





sábado, 9 de dezembro de 2017

A importância da comunicação na eficiência das operações


Sem qualquer saudosismo doentio, mas antes, lançando um olhar à distância, dei comigo a pensar na modernidade do hotel onde dei os meus primeiros passos na hotelaria em Setembro de 1967: O Hotel Estoril-Sol em Cascais.
Considerado o maior de Portugal durante anos (22 andares e 404 quartos) era também o mais moderno e, talvez o mais eficiente. Foi concebido, naturalmente, por quem conhecia a fundo a actividade hoteleira e dava grande importância à comunicação entre departamentos e entre pessoas como a chave para a eficiência.
Também a comunicabilidade entre a produção (Cozinhas, Economato, Dispensas) e as de exploração (restaurantes, bares, salões de eventos) foi pensada ao pormenor. Na ombreira da porta de cada quarto existiam 3 sinais luminosos estilo semáforo comandados por uma chave especial que indicava a presença da empregada a fazer a saída (vermelho) a manutenção (amarelo). Quando a empregada tirava a chave, ficava a cor verde. Um painel gigantesco luminoso indicava, na Recepção, o estado de cada um dos 404 quartos.

A transmissão de informações importantes era assegurada pelo sistema de Tubos Pneumáticos, em cápsulas, estilo lata de bolas de ténis propulsionadas por vácuo, onde se inserem os documentos a transportar (caso de saída inesperada para os departamentos certificarem a existência ou não de consumos de clientes, comunicações da direcção para os chefes de departamento, etc.). As cápsulas atingem uma velocidade média de 10 metros por segundo. No Estoril-Sol a central passava pelo Back-Office e percorria todos os ofícios e gabinetes de trabalho dos 22 pisos.
Estávamos no tempo do SNI, da Sociedade Propaganda de Cascais, do Corso Carnavalesco promovido pela SPC pela Sociedade Estoril-Sol.
Histórias como estas e tantas outras foram por mim gravadas no livro Histórias d’Hotel.
Hoje, surpreendentemente, a maioria dos hotéis ainda usa walkie-talkies para se comunicar entre a Recepção e a Governanta, mas com a tecnologia agora disponível, as empregadas podem usar um smartphone, para entrar no Software PMS e verificar quais os quartos prontos para serem limpos, mudar o estado dos quartos quando são limpos e inspeccionados, ou até mesmo verifique o nome do hóspede antes de bater à porta. Mais eficiente? Não sei. Mas mais exigente em termos de capacidade de adaptação dos colaboradores, sem dúvida.
Texto escrito em desacordo com o AO

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Industria, Turismo, Regeneração da Floresta

Razão tem o presidente da Turismo Centro de Portugal – Dr. Pedro Machado -  em propor a alteração da ET 2027  como consequência da área ardida na maioria dos municípios integrantes daquela estrutura e dos avultados prejuízos materiais e paisagísticos.
Esta área ardida desfigurou completamente a paisagem.
Uma proposta desta dimensão implica a envolvência de vários ministérios, das autoridades, das autarquias, da sociedade civil, enfim, do Estado português.
•         Não chegando ao ponto de uma lei taliónica, faria todo o sentido rever o código penal para provados crimes que atentem colectivamente contra os bens da natureza, especialmente se resultarem em perdas da vida humana.
•         Reduzir ao máximo o número de embalagens descartáveis, consciencializando que nas caminhadas é mais saudável beber líquidos por um cantil devidamente isolado termicamente.
•         Colocar pontos de recolha de materiais descartáveis ao longo de percursos fluviais,  pedestres e de cicloturismo.
•         Promover as boas práticas e exigir das empresas que promovem actividades ao ar livre a sua aplicação aos seus clientes.
•         Considerando que a floresta ocupa 35% do território, deveriam ser concedidos incentivos fiscais à produção de energia e combustíveis  de biomassa dos subprodutos da floresta, da indústria da madeira e dos resíduos sólidos urbanos.
•         Incluir os municípios na elaboração rápida de estudos geográficos e topográficos  para oficializar a implantação de clareiras  e a alienação de faixas para pedestrianismo e cicloturismo em áreas superiores a X quilómetros quadrados. Essas clareiras deveriam ser  lagos e linhas de água, preferencialmente,  captada da chuva e de furos, mas não como aconteceu aqui perto, segundo me contaram: havia tanques para os aviões e helicópteros de combate se abastecerem, mas estiveram  vazios durante a época de incêndios que agora terminou. Os proprietários que não tivessem meios para os fazer, o município asseguraria a sua realização mediante pagamento.
•         Transformar extensões ardidas em quintas comunitárias e pedagógicas, captando um turismo solidário com o ambiente, a natureza, a humanidade, u turista que marca território e a ele se fideliza.
•         Tudo isto somado teria como resultado a Sustentabilidade Económica, Ambiental, através de uma consciencialização solidária, emotiva e motivacional.

A Bem do Homem, da Floresta, do Turismo, da Inteligência


Nota: Este testo foi escrito em desacordo com o AO


Turismo Emotivo * Emotional Tourism googleac69fed623e9c4d7.htmlbr

Turismo Emotivo * Emotional Tourism googleac69fed623e9c4d7.htmlbr

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

TRANQUILIDADE


O meu estado é de tranquilidade em vários aspectos:
PROFISSIONAL:  A actividade  turística a que estou ligado há muitos anos, não vai diminuir em Constância nos próximos anos. Pelo contrário, espera-se um aumento porque:
- Novas ideias surgirão;
- Haverá maior motivação para uma participação alargada aos interessados na definição de estratégias para a formação do produto turístico “Constância” consistente, credível, duradouro, consciente social e ambientalmente, logo, mais e diversificadas actividades contribuirão para uma melhor saúde económica do concelho de Constância.

PESSOAL
Desde miúdo que fui educado a respeitar os superiores, especialmente os legitimamente eleitos. E assim continuarei, reservando-me, contudo, ao direito de argumentar quando não concordar com decisões ou omissões.

CIVICO
Tranquilo porque, nos últimos meses exerci em plenitude, dentro das minhas possibilidades, um dever de cidadania e um direito que me assiste constitucionalmente. Sem atropelos, sem animosidades, que, por isso mesmo, muito me regozijou. Especialmente porque, quem me convidou, viu algum valor em mim.

ESPERANÇA E OPTIMISMO
- Esperança num futuro mais promissor para os meus sucessores e para todos os jovens.
- Na minha capacidade de colocar em prática o que aprendi na vida profissional, pessoal, nas escolas e de continuar a aprender com quem lido profissional e pessoalmente.

- Optimismo com a certeza de que o que aprendi com os melhores, com a minha dedicação à aprendizagem e ao estudo e o que humildemente vou aprendendo na minha convivência diária, é propriedade minha, mas partilhável num ambiente de honestidade, de reciprocidade, de sinceridade em objectivos que me provoquem emoções e satisfação pessoal.
De
Constância para todos os meus círculos