sábado, 30 de setembro de 2017

A Rosa do meu jardim

Flor minha, que murchaste,
Que caíste triste e abandonada
Deste mundo traiçoeiro incompreendida,
Humilhada, amada, odiada e ofendida.

Uma estaca para apoio procuraste
De entre as muitas do roseiral onde estavas.
Mas teus picos não chegaram lá.
Tremeste, esmoreceste, porque traíste aqueles
Do meio onde cresceste, da água que te saciou e na qual
Tuas pétalas lavavas.            
Meu coração chora de tristeza
E de alegria também.
Porque  bela sempre foste, perfume espalhaste.
Mas estavas com toda a certeza,

Alheada de quem te quis bem.