quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Grandes promotores da marca Portugal



Será que os americanos que, nas década de 60 e 70   assistiam a partidas de futebol? Não creio. No entanto em qualquer conversa sobre Portugal,  o número de vezes que as palavras EusibioBenficá” eram pronunciadas suplantava o número de vezes que a palavra “Salazar" era mencionada. 
Que o nome Eusébio era um símbolo e uma motivação para conhecerem o entusiasmo do povo português, que ninguém duvide.
Será que todos os franceses que nas mesmas décadas nos visitavam iam a uma casa de fados? Talvez uma significativa percentagem fosse procurar conhecer a beleza dos sentimentos  da gente representada por “Amaliá” que cantava o “Avril au Portugal” ou “Uma Casa Portuguesa com Certeza” que concentravam em si o património sentimental do nosso povo.

Quantos ingleses não pediam nos restaurantes e nos hotéis  portugueses uma garrafa de “Matius Rosé”  tão comum nas vitrines das lojas de vinhos das grandes cidades inglesas?

A atractividade de Portugal como destino turístico é um composto de bens materiais e imateriais, como património, história (descobrimentos, independência, defesa da nacionalidade),   gastronomia, paisagens, arquitectura e de nomes que espalham  o nome de Portugal pelos quatro cantos do mundo, tal como ontem fizeram  Eusébio, Amália, e hoje o fazem Figo, Ronaldo, Dulce Pontes, Marisa, e tantos outros artistas, Pastel de Nata e marcas de Vinhos, de  Calçado, Moda, Eventos e Festivais, Invenções, Tecnologia de Ponta, etc.
http://constancia.net/website/371/index.htm


Vencedora aos 19 anos da Grande Noite do Fado de Lisboa no Coliseu dos Recreios,  em 1999, Ana Laíns tem levado aos 4 cantos do mundo uma belíssima sonoridade acústica e vocal que tão bem  caracterizam as suas raízes que nunca renegou e constantemente enaltece: Montalvo – uma freguesia do concelho de Constância.
A presença da autora dos álbuns “Sentidos” e “Quatro Caminhos” chegou a muitos países, e tem agendadas outras digressões,  mas foi na Grécia que foi considerada a “Diva de um Fado Diferente”.
Diz que não é fadista, mas uma cantora que tem como paixão a “Música Tradicional Portuguesa” sendo o fado um dos estilos.

Por causa dos seus valores e dos valores culturais que transmite nas suas actuações , foi nomeada, em Junho de 2014, embaixadora para as celebrações dos 800 anos da Língua Portuguesa pela presidente da associação “8 séculos de Língua Portuguesa”, Maria José Maya, na sequência de um encontro por ocasião do dia Mundial da Poesia, no Palácio de Belém, a convite da primeira-dama Maria Cavaco Silva.
http://visitconstancia.net

domingo, 20 de dezembro de 2015

AIDA e o FEEDBACK


Desde o Outono até ao Verão dos anos 1971/1972 eu fui um permanente frequentador  do nº 40 da avenida de  Portugal no Estoril entre as 15hh e as 17h30. Embora eu já trabalhasse em hotelaria havia 4 anos, foi nesse período que eu adquiri as primeiras noções de organização e compreensão dos trabalhos que eu já sabia fazer na Recepção do hotel onde trabalhava.
Foi nesse edifício que funcionou a Escola Hoteleira do Estoril sob a dependência do então Centro Nacional de Formação Turística e Hoteleira. Fui um dos alunos da “primeira fornada” do curso de Recepção.

Nesse tempo, nos pequenos hotéis, o recepcionista tratava da correspondência, reservas, “fazia” a “Main Courante” , e outras múltiplas tarefas. Por isso, antes de me ausentar, deixava a correspondência já tratada e pronta a seguir depois de assinada;  às vezes ainda tinha tempo de fazer umas promoções via  telex  em difusão, marcando o 119+ seguida dos endereços, ou de responder a um telegrama telefonado com o texto Reserva ALDUABAT POGOK OK”.
https://www.hotelscombined.pt/Place/Estoril.htm?a_aid=94438


O sistema A.I.D.A. que o professor da disciplina de Recepção Feliciano Barroso (que viria a falecer nesse ano de acidente com uma caldeira)  nos ensinou, caíu-me no “goto” e sempre o utilizei. Mas o que me marcou mais foi o FEEDBACK;  um termo  que o professor de Relações Públicas e Comunicação nos ensinou e explicou que era uma ferramenta de marketing e em que circunstâncias se aplica: “Por vezes os canais podem sofrer de interferências e a mensagem não ser bem recebida e compreendida pelo receptor”. Por isso, o emissor confirma se o receptor a recebeu e prontifica-se a prestar informações complementares.

Eu fiz um brilharete . Na minha terra, em que a maioria da população era analfabeta, eu era o menino prodígio. “Este rapaz é  escorreito. Até sabe o que é o “fio do béque…” não é isso. É o FIDEBÉQUE, homem!
Nos dias de hoje, as nossas caixas de correio electrónico são invadidas por mensagens aliciantes ao consumo, à compra, à decisão, algumas delas mesmo com uma falsa personalização. Se  queremos explicações e, pedimos informações pelo mesmo meio, a maioria das vezes não nos respondem. Ou não sabem do que se trata. Quer dizer:  mostram o produto, anunciam-no, mas não o disponibilizam. Outras vezes, depois de nos tornarmos membros daquela coisa, continuamos a receber as mesmas propostas.
As empresas gastam recursos com meios próprios ou pior, por “outsourcing”, sem qualquer forma de gerir comunicações,  medir a eficácia e, mais grave ainda, de não fidelizar o cliente.

Boas Festas


segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Este maravilhoso mundo virtual


Abertura, Admiração, Amor, Atracção, Compreensão, Coragem, Cumplicidade,  Diversão, Fascínio,  Felicidade, Ficção,  Ilusão, Importância, Interacção, Liberdade, Negócios, Paraíso, Passatempo,  Possibilidade, Rejeição, Realidade;  estas são algumas das inúmeras emoções que a Internet nos faz sentir. Paralelamente à falsa influência  de “Você decide”.
 Dreams

Ingenuamente muitos perguntarão: Quanto economizo se os meus clientes fizerem o seu pedido à cozinha  por IPAD, efectuarem o check-in com código recebido no telemóvel, efectuarem o check-out clicando no monitor da televisão do seu quarto de hotel?
Eficiência? Sem dúvida, quando tudo funciona. Mas, e a grande riqueza, a maior característica da hotelaria que é o contacto humano? Se é uma actividade feita por e para o Homem, a principal interacção deve ser humana.
Devido à reorganização exigida pelas novas tecnologias, é comum, hoje, vermos recepcionistas sentados atrás do tradicional balcão, atender clientes que estão em pé. Há duas hipóteses: ou o velho balcão de recepção é substituído por secretárias ou balcões baixos no hall onde o cliente efectua, sentado, o seu check-in e pede informações, ou atrás do velho balcão de recepção devem estar recepcionistas que, em igualdade de conforto e posição, falam com os seus hóspedes.
…………
Podemos também colocar a questão de quanto  economizaria um país que instituísse o voto electrónico?
Aparentemente fácil e barato. A abstenção seria certamente menor.
Nos habituais locais de mesas de votos estariam computadores com ligação internet para os info-excluídos (de livre vontade ou por força das circunstâncias).
O que custava era a construção da base de dados: Quem vota e em que se vota.
Qual o grau de privacidade das pessoas e instituições? Quem e com que mecanismos  controla efectivamente as comunidade sociais (espécie de currais em que os animais somos nós)? Como é que este mundo conhece os gostos que eu tenho e apresenta na janela do meu computador a sugestão  do caminho para  aceder a eles?
Numa  fase em que as reuniões e jantares em família deixaram de ter o mesmo significado, perderam até a graça em detrimento das fantasias virtuais, até que ponto a interacção é realmente benéfica para o mundo real, no qual estamos mais isolados, incomunicativos, ausentes de calor humano, em contraste com a realidade virtual?


Até que ponto é real o merecimento de troféus conquistados não por disputa (jogo, sabedoria, concurso, exame) mas por votação online?
Quantas vezes o leitor recebeu mensagens electrónicas “Vote for us” e acede votar porque gostou da imagem em foto ou em vídeo ?


“For those that value peaceful natural surroundings, independence and privacy while relaxing in uncompromised luxury, look no further than Te … Luxury Villas & Spa. Set on the white sands of …  Beach overlooking a crystal clear lagoon, the 5-star villa complex is the perfect location for an island getaway.”

“…Angel’s...  is located at the beautiful shore of the Aegean Sea in the Burunucu region occupying a total area of 80. 000 m2, comprising 182 unique Rooms, Suites and Villas….”

“Vote for us”

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Ana: A Embaixadora da Língua Portuguesa

A embaixadora da Língua Portuguesa é de Montalvo
Nasceu em Tomar mas, por motivos profissionais, os pais mudaram-se para Montalvo – uma das freguesias do concelho de Constância, era  Ana Laíns um lindo bébé de 1 ano.

 Intérprete exímia do fado,  que canta desde os 15 anos,   e vencedora aos 19 anos da Grande Noite do Fado de Lisboa no Coliseu dos Recreios,  em 1999, Ana Laíns tem levado aos 4 cantos do mundo uma belíssima sonoridade acústica e vocal que tão bem  caracterizam as suas raízes que nunca renegou e constantemente enaltece:  o lugar onde está mais tempo em pensamento e fìsicamente sempre que pode,   e a Língua Portuguesa e a nossa  cultura.

Outros caminhos e outros estilos ela segue, consoante as circunstâncias, como no álbum QUATRO CAMINHOS lançado em   2010 depois do álbum “Sentidos” em 2006.
A muitos países chegou a sua presença e a sua voz, e tem agendadas outras tournées, mas foi na Grécia que foi considerada a “Diva de um Fado Diferente”.
Diz que não é fadista, mas uma cantora que tem como paixão a “Música Tradicional Portuguesa” sendo o fado um dos estilos. Diz que é uma  “cantora colorida” . E essas cores mostrou-as na celebração “Gostar de Constância” no passado dia 7 de Dezembro.

Por causa dos seus valores e dos valores culturais que transmite nas suas actuações , foi nomeada, em Junho de 2014, embaixadora para as celebrações dos 800 anos da Língua Portuguesa pela presidente da associação “8 séculos de Língua Portuguesa”, Maria José Maya, na sequência de um encontro por ocasião do dia Mundial da Poesia, no Palácio de Belém, a convite da primeira-dama Maria Cavaco Silva.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Gostar de Constância

Desde 2011  que a 7 de Dezembro se assinala em Constância o Decreto da Rainha D. Maria II que deu o actual nome à até então Vila de Punhete, em 1836.
Este ano, às 20h30 no Cine-Teatro Municipal, vão ser homenageadas entidades e pessoas:  Santa Casa da Misericórdia de Constância, a Casa da Aldeia, a Quinta do Outeiro Alto, e a já célebre cantora Ana Lains. 
Assistiremos a momentos de diálogo, entrevistas, testemunhos e momentos musicais.
Sorry, your browser does not support inline SVG. Sorry, your browser does not support inline SVG. Sorry, your browser does not support inline SVG.

Porção, uma grande quantidade de coisas, muitas coisas, luva sem dedos que só cobre o metacarpo são significados do termo Punhete. Outros dizem é a transformação natural da palavra composta latina Pugna-Tagi que acabou por se aglutinar na palavra Punhete.
Pugna (caso nominativo) Tagi (caso genitivo de Tagus) é o nome que os romanos deram para significar o combate do Tejo com as águas impetuosas do Zêzere. A evolução do nome continuou  provavelmente mesmo depois de Gonçalo Mendes da Maia – o Lidador a ter conquistado para o nosso primeiro rei.
A importância deste local foi reforçada pela decisão de D. Pedro I que determina que todo o movimento de mercadorias com destino a Lisboa fosse aqui embarcado.


O rebaptismo para o actual nome “Constância” teve lugar há 179 anos,  numa época em que as ideias liberais se iam afirmando sobre as ideias absolutistas..
Aproveitando a visita de D. Maria II o povo pediu-lhe para mudar o nome. Como reconhecimento pela constância das ideias dos locais às causas liberais, atribuiu-lhe o nome actual.

Isto é o que está escrito; mas eu prefiro outra versão mais romântica, que melhor caracteriza o misticismo de Constância:
O Ministro do Reino, Passos Manuel,  que vivia no Ribatejo, e que fez parte da comitiva real, namorava havia uns anos uma jovem de  Punhete chamada Gervásia de Sousa Falcão.   Era uma família fidalga, tradicionalista, convictamente ligada à facção Absolutista. que contrastava com a facção Liberal oficialmente seguida no Reino.
Apesar da oposição das famílias - uma liberal e outra absolutista-  o amor entre ambos não esmoreceu. Foi constante. E essa constância inspirou a Rainha D. Maria II na mudança do nome. Um exemplo da constância.
Manuel da Silva Passos (ou Passos Manuel)  e D. Gervásia de Sousa Falcão casaram-se no dia 28 de Dezembro de 1838 na  Vila da Constância, cujos rios, ambiente e qualidade de vida propiciam um local para segunda residência ou simples visita com tempo suficiente para usufruir tudo o que ela possui.