domingo, 6 de setembro de 2015

Escudo ou mochila, pochete, óculos de sol. Qual a diferença?

A globalização que a Internet e as Novas Tecnologias trouxeram veio abrir caminhos e criar oportunidades de acesso a profissões que a muitos estava vedado. Trouxeram igualmente a facilidade de as pessoas se agruparem em função de interesses pessoais, profissionais, empresariais, de gostos, de preferências, de emoções, a nível planetário, em plataformas em que assentam as inúmeras redes sociais. Estas redes, difusoras de informação a alta pressão , motivaram e aumentaram a apetência e as oportunidades de viajar para conhecer lugares, tradições, património, pessoas, contribuindo, por assim dizer, para um exponencial aumento da nova economia: a do Saber, a do Conhecimento, a da Criatividade. Nunca se viu tantos portugueses que, munidos de sofisticados gadgets ou máquinas fotográficas captam imagens de tudo o que lhes desperta a atenção, para guardarem para si e partilharem entre as suas redes. Constância é, por mérito próprio, um dos destinos para visitar, fotografar, conhecer, por causa da sua história, configuração e paisagismo.
Sorry, your browser does not support inline SVG. Sorry, your browser does not support inline SVG. Sorry, your browser does not support inline SVG.
A Lei 92/2011 adopta uma directiva europeia sobre o acesso a muitas profissões, que passa a ser livre, sem necessidade de cursos especiais, qualificações ou carteiras profissionais, com todos os desafios que esse facto coloca. De acordo com esta lei, qualquer pessoa que sinta que é capaz, pode ser cabeleireira, recepcionista, director de hotel, guia de turismo (não confundir com guia turístico que é um livro onde estão publicados textos e publicidade a estabelecimentos no âmbito do turismo) e tantas outras profissões que, como estas, foram desregulamentadas. Os antigos guias-intérpretes nacionais ou regionais usavam com orgulho o símbolo da sua profissão criado em 1936: O Escudo Dourado da Bandeira Portuguesa, com as palavras “guia-intérprete”. A sua formação em línguas estrangeiras, literatura, história, património, museologia, geografia e outras disciplinas era muito robusta e completa, sendo os únicos profissionais habilitados e autorizados a acompanhar visitas a museus e monumentos nacionais ou regionais. Sorry, your browser does not support inline SVG. Sorry, your browser does not support inline SVG. Sorry, your browser does not support inline SVG.
Hoje é comum verem-se grupos de visitantes com mochila às costas, máquina fotográfica ou tablet em punho, enquanto ouvem as explicações de alguém com uma mochila e chapéu, “safari hat” ou “quico” na cabeça ou com pochete à tiracolo e óculos de sol na cabeça, que atingem o clímax cultural com a narrativa de até onde chegaram as águas, como se estivéssemos nos canais de Veneza, ou com o fenómeno da abóbora gigante. A diferença do escudo não está apenas na Pochette. Está também na programação das visitas que deveriam prever um prazo de tempo livre (15 a 30 minutos) para que cada participante satisfaça a sua curiosidade individual e/ou visite estabelecimentos do comércio local. Assim não sendo, qual o interesse?
 Luis Gonçalves