sábado, 5 de abril de 2014

O 25 de Abril e La Bombita

Adolfoin Publituris
Regressado do serviço militar obrigatório de 2 anos, retomei, em Janeiro de 1976 as minhas funções de Chefe de Recepção ou, como hoje se diz Front Office Manager, no Hotel Londres do Estoril, o hotel onde mais anos trabalhei, desde os meus 17 anos de idade, depois de ter passado pelos dois primeiros que já não existem: Estoril-Sol e Arcadas.
Posso dizer que fui um dos beneficiados: não fui parar às ex-colónias portuguesas da Guiné, Angola ou Moçambique; fiquei colocado onde tinha pedido - Tavira; trabalhei simultâneamente num aldeamento turístico no Verão de 1974 como recepcionista e como chefe de recepção em 1975, depois de vencida a oposição da então comissão de trabalhadores na minha readmissão, argumentando que eu ia tirar o lugar a um desempregado. Estas e outras histórias fazem parte do livro historiasd'hotel.
O vazio na ocupação hoteleira que a Revolução originou foi sendo progressivamente preenchido com o segmento Turismo Social, de camadas mais jovens, que vinham absorver e vivenciar a experiência revolucionária portuguesa. Estes turistas eram oriundos dos países escandinavos, da então URSS e da Federação Jugoslava. Mais tarde outra faixa etária que hoje se chama Turismo Sénior veio a eleger aquele hotel para permanecer nas visitas "Costa de Lisboa". O mercado experimental foi o espanhol, ao qual se seguiu o francês e o inglês.
Sendo eu uma dos primeiros rostos do hotel, clientes, especialmente do sexo feminino daquela faixa etária me questionavam à chegada: "Mira, tu éres hermano de nuestro Presidente? "Non, non soy", respondia eu. "Pero tu éres muy parecido. No te vás à España si non te ponen una bombita en el coche". Estas simpáticas senhoras referiam-se ao Presidente do Governo de Espanha Adolfo Suarez. Hoje, outras pessoas, que não terceira idade, me dizem que tenho umas parecenças com Roberto de Niro.